Khan Academy

setembro 1, 2011 4 comentários

Conheci recentemente um recurso educacional muito interessante, a Khan Academy. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos com a missão de  “levar uma educação de qualidade para qualquer um em qualquer lugar”.

O site fornece uma plataforma de aprendizado composta por milhares de vídeo aulas, acompanhadas de exercícios para avaliar o seu aprendizado dos tópicos apresentados. O conteúdo disponível aborda áreas como matemática, física, química, finanças, história, quebra-cabeças lógicos, etc. Tudo isso disponível gratuitamente.

Um ótimo recurso para crianças reverem explicações de tópicos abordados em sala de aula, pais que precisam relembrar os conteúdos para auxiliar seus filhos no aprendizado ou mesmo dar uma polida em alguns conhecimentos que há muito não são utilizados.

Apenas um porém: as aulas estão todas em inglês, o que pode ser uma “pequena” barreira para quem não entende bem a língua. Mas, pode ser também uma boa forma de praticar o “listening”.

E você também pode ajudar

A Khan Academy é uma entidade sem fins lucrativos e depende exclusivamente de doações para manter as coisas funcionando, e você pode meter a mão no bolso e dar uma ajudinha. Mas, essa não é a única forma de ajudar. Você pode ajudar também:

  • divulgando o trabalho deles;
  • traduzindo o conteúdo para outras línguas;
  • produzindo mais conteúdo;
  • relatando problemas encontrados;
  • dando sugestões de melhorias;
  • etc

Vai lá, acessa algumas aulas e exercícios e veja se, além de aproveitar o que já está disponível, você pode ajudar esse material chegar a um número maior de pessoas.

CategoriasEducação

O Android esqueceu das minhas músicas

Recentemente percebi que a coleção de músicas do meu telefone (um Samsung Galaxy 5 com Android Froyo) estava bem bagunçada. Apesar de tudo ser tocado corretamente, as músicas apareciam com informações erradas, principalmente os nomes de artistas. Verificando os arquivos, vi que as informações contidas neles estavam corretas.

Procurando pela Internet encontrei vários relatos de problemas semelhantes com propostas de soluções que incluiam:

  1. Editar as tags ID3 dos arquivos, para colocar em formato suportado pelo Android (tem um bug aberto já há bastante tempo dizendo que o player do android não suporta tags na versão 2.4)
  2. Remover os arquivos e readicioná-los (com um reboot entre os dois passos)
  3. Renomear os arquivos
  4. Renomear o diretório onde estão os arquivos
  5. Instalar o Meridian Media Player que, através da sua opção de reindexar mídia, faria com que o sistema “redescobrisse” as músicas.

Bem, eu tentei todas elas. E, ao final, graças ao Meridian Media Player, fiquei com a minha biblioteca de música vazia. Meus arquivos estavam todos lá, mas o player não os conhecia. E essa situação me desagradava bastante, pois o som de chamada do meu telefone é uma música da minha biblioteca, assim como o som do meu despertador. E acordar com “tu-tu-tu-tu-tu” ao invés de uma boa seleção de músicas é muito ruim.

Então, a pesquisa tinha que continuar. E, depois de muito procurar, encontrei o procedimento que funcionou. Abaixo, a seqüência de passos para quem passar por esse problema:

  1. Acesse as configurações
  2. Em seguida acesse Aplicações
  3. Em seguida Gerenciar aplicações
  4. Acesse a aplicação Armazenamento de Mídia
  5. Acione o botão Limpar Dados
  6. Volte até a tela inicial de configurações e acesse Armazenamento no cartão SD e no telefone
  7. Acione a opção Remover o cartão SD
  8. Aguarde até que a opção mude para Inserir cartão SD e a acione
  9. Aguarde até que seja mostrada a notificação de Pesquisa de mídia concluída
  10. Pronto, suas músicas estão de volta.

Mas, a nossa aventura não acaba por aí. Com o Limpar Dados do Armazenamento de Mídia, acabamos perdendo também os dados sobre os sons padrão do sistema, o que significa que agora temos o “tu-tu-tu-tu-tu” em qualquer lugar em que usávamos um desses sons. Mas isso é fácil de resolver, esses sons estão armazenados em /system/media/audio e basta copiá-los para a mesma estrutura de diretórios no sdcard, ou seja, para /mnt/sdcard/media/audio, para que eles sejam indexados pelo sistema e apareçam como opções nas respectivas categorias. Agora sim, o meu telefone voltou a ser o que era e acabei aprendendo como acrescentar novas opções de alarmes, ringtones e notificações ao sistema.

CategoriasAndroid, Dicas

Eliminando SPAM com uso de greylisting

novembro 10, 2006 1 comentário

Ontem, cansado de passar uma boa parte do meu dia de trabalho clicando no ícone de “Indesejadas” do Evolution para marcar as centenas de SPAMs recebidos por dia e que o spamassassin não conseguia marcar como tal, resolvi configurar o nosso servidor de email para usar greylisting.

Para quem não conhece, greylisting é uma técnica simples que consiste em recusar-se a receber uma mensagem, indicando uma indisponibilidade momentânea, na primeira vez em que é feita a tentativa de entregá-la, aceitando-a mais tarde caso o servidor volte a tentar entregar. Como grande parte dos spammers não tenta enviar a mensagem novamente, esse método elimina uma boa parte das mensagens indesejadas que lotam as nossas caixas postais.

Para ajudar quem nunca fez isso e para eu ter onde consultar quando precisar fazer de novo, vai aqui a receitinha de bolo.

A primeira coisa a fazer, obviamente, é instalar um software que faça o serviço de greylisting. No meu caso, como uso o postfix como servidor SMTP, instalei o postgrey, assim:

aptitude install postgrey

Depois, devemos configurar o postfix para utilizar o serviço de greylisting adicionando, ao arquivo /etc/postfix/main.cf, as seguintes linhas:

smtpd_recipient_restrictions =
                          permit_mynetworks,
                          reject_unauth_destination
                          check_policy_service inet:127.0.0.1:60000

E, finalmente, mandar o postfix recarragar a configuração:

/etc/init.d/postfix reload

E pronto!

Resultado da brincadeira, de uma média de 100+ SPAMs diários que eu tinha que remover manualmente, hoje precisei clicar no ícone de SPAM menos de 5 vezes.

CategoriasAdmin, Português

ejabberd no backports.org

Em um texto anterior eu mencionei que havia feito um backport do ejabberd para o Sarge. Decidi enviar esse backport para o backports.org e, finalmente, ontem ele foi aceito. Então, quem quiser utilizar esse backport, a partir de agora, deve fazer o seguinte:

No seu /etc/apt/sources.list, acrescente a linha abaixo, para utilizar o repositório do backports.org

deb http://www.backports.org/debian sarge-backports main

No /etc/apt/preferences, acrescente as linhas abaixo

Package: ejabberd
Pin: release a=sarge-backports
Pin-Priority: 999


Package: erlang-base-hipe
Pin: release a=sarge-backports
Pin-Priority: 999

Package: erlang-base
Pin: release a=sarge-backports
Pin-Priority: 999

Package: erlang-nox
Pin: release a=sarge-backports
Pin-Priority: 999

E é só. Agora basta fazer

aptitude update && aptitude install ejabberd

CategoriasDebian, jabber, Português

New GnomeBaker in experimental

We’re aproaching the release of a new GnomeBaker version. I’ve just uploaded to Debian experimental a snapshot of its code, so we can get more testing. Among the changes for this new version are:

  • use of gstreamer 0.10;
  • suports creating directories, delete/rename/move files in data projects;
  • save/load projects;
  • edit multiple projects simultaneously;
  • many bug fixes.

Tests and bug reports are much welcome. We want to make this GnomeBaker version as stable as possible in time for the Etch release.

Novo GnomeBaker na experimental

Estamos nos aproximando do lançamento da nova versão do GnomeBaker. Acabo de enviar para o Debian experimental um snapshot do que deve vir a ser esse novo lançamento. Entre as novidades deste pacote, temos:

  • uso do gstreamer 0.10;
  • suporte a criação de diretórios, apagar/renomear/mover arquivos em projetos de dados;
  • gravar/carregar projetos;
  • edição de múltiplos projetos simultâneos;
  • muitas correções de problemas.

Testes e relatórios de bugs são muito bem-vindos. Queremos tornar esta versão do GnomeBaker o mais estável possível para que possa ser incluído na Etch.

Ejabberd no Sarge usando PAM para autenticar

Recentemente me pediram para criar um “bate-papo” na Smart Price. É lógico que, para fazer isso, eu usei o padrão da Internet para troca de mensagens instantâneas. E existe isso? Claro, que existe! Chama-se Jabber (ou XMPP, para ser mais exato) e tem tudo de útil que o MSN Messenger, muitas outras coisas que ele talvez venha a ter em alguma versão futura e outras que ele nunca vai ter. Se você ainda não conhece o Jabber, já passou da hora de fazê-lo. Escolha um dos vários clientes, crie uma conta em um dos servidores públicos e divirta-se.

Mas, o objetivo deste texto não é fazer divulgação do Jabber e sim contar o que precisei fazer para implantar esse serviço, então voltemos ao assunto.

Dentre as opções de servidores existentes, decidi utilizar o ejabberd que é Software Livre e é utilizado pelo servidor público jabber.org. E, se é bom para eles que têm milhares de usuários registrados, vai ser mais que suficiente para nós que somos pequenininhos.

Acontece que o ejabberd não está disponível no Debian Sarge, então tive que fazer um backport do pacote disponível para Sid. Binários para i386 e fontes disponíveis em:

deb http://people.debian.org/~goedson/packages/debian/sarge/ejabberd/i386/ ./

e

deb-src http://people.debian.org/~goedson/packages/debian/sarge/ejabberd/src/ ./

respectivamente.

Servidor instalado e configurado, só falta criar os usários. Mas eu já tenho todos os usuários cadastrados no meu servidor. Porque não utilizar esses dados? Porque o ejabberd suporta nativamente a autenticação em um banco de dados LDAP, MySQL ou PostgreSQL mas não o /etc/passwd ou o NIS ou PAM.

Felizmente, ele suporta o uso de um programa externo para fazer a autenticação. Então, fiz um script para autenticar os usuários utilizando o PAM e, pronto! Usuários acessando o Jabber com a mesma senha que eles já usam para ler seus emails ou acessar suas estações de trabalho.

Isso é tudo que foi necessário para ter um “serviço de bate-papo” com a possibilidade de se fazer reuniões, com ou sem controle de participantes, registro automático da “ata” (olha eu fazendo propaganda do Jabber de novo, acho que vou escrever um artigo sobre isso :) ) e integrado à autenticação de usuários já existente na empresa.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.